The Yeatman com vista para o Porto

The Yeatman com vista para o Porto

O hotel, é um espaço dedicado ao vinho e verdadeiro embaixador dos melhores néctares que se produzem no nosso país.

O norte do país já merecia um hotel assim. Ou melhor, Portugal já merecia um hotel assim. The Yeatman, um espaço dedicado ao vinho e verdadeiro embaixador dos melhores néctares que se produzem no nosso país.

Apesar do GPS continuamente não reconhecer o caminho e nos pedir para que voltássemos para Lisboa, insistimos e ganhámos nesta luta desigual entre a tecnologia e o Homem. Valeu bem a pena o esforço pois a maravilha que descobrimos em Vila Nova de Gaia deixou-nos absolutamente rendidos. Chegámos de noite, estrelas brilhavam no céu onde uma Lua cheia fazia as delícias dos mais românticos. Depois de realizado o check-in e de simpaticamente recebidos pelo director-geral do hotel, olhámos em redor e o que descobrimos foi um lobby extremamente amplo e luminoso. Constataríamos mais tarde que estas duas características são comuns aos restantes espaços do hotel.

Dirigimo-nos depois à suite que seria nossa durante os dois dias seguintes e foi ai que a aventura começou. Apelidada The Yeatman (os 82 aposentos do hotel podem ser patrocinados por cada um dos wine partners que não só dão o nome ao espaço como escolhem a sua decoração), surpreendeu não só pela área como pela opção decorativa. Para o exterior mais do que janelas o que encontrámos foram paredes de vidro, na verdade uma opção bastante inteligente pois a panorâmica que se obtém através delas é de cortar a respiração, ou não estivesse o hotel numa encosta de Vila Nova de Gaia virado para o Porto. Dali a Invicta tem outro encanto e uma magia muito particular. No piso onde nos encontramos, o quinto (não esqueçamos que o hotel foi construído em socalcos – como as vinhas – encosta abaixo), os quartos têm, através do terraço privativo, acesso directo à piscina infinity exterior do hotel. Logo ali prometemos voltar quando o sol aquecesse o dia.

Um hotel de eleição

O que é que torna uma unidade hoteleira em algo verdadeiramente unique? Na nossa perspectiva não há um aspecto que suplante os outros, tudo é importante para que o resultado final seja perfeito. É assim no The Yeatman, onde à já referida localização e conforto dos quartos se alia a qualidade da gastronomia. Recebidos por um staff solícito, estávamos decididos a deixar-nos conquistar pelas sugestões gastronómicas do restaurante onde uma gastronomia de raiz tradicional portuguesa é reinventada com muita imaginação e elaborada com recurso aos produtos mais frescos.

À descoberta do vinho…

…do Porto e não só, uma vez que no Yeatman além de ser disponibilizada uma excelente selecção de vinhos do Porto e Porto Vintage, existe também uma enorme lista de vinhos nacionais. Na verdade a cave do hotel é considerada como uma das mais completas dedicadas ao vinho nacional com exemplares das melhores colheitas, castas e produtores. A tudo isto alia-se uma vasta selecção de vinhos internacionais, dos clássicos aos mais inovadores. Para que hóspedes, e não só, possam usufruir ao máximo desta riqueza, são regularmente organizadas provas de vinhos e jantares vínicos onde os wine partners desempenham um importante papel assim como as caves do vinho do Porto que circundam o hotel.

Em nome do bem-estar

O prestígio do Yeatman precede a sua abertura, pois uma das mais-valias do hotel nasceu quase em simultâneo com o início do projecto e dá pelo nome de Caudalie. A reconhecida marca francesa, que até este momento não possuía nenhum spa no nosso país, reconheceu a qualidade do Yeatman tornando-se seu parceiro não só no spa mas também nos aposentos, pois as amenities são todas Caudalie. Hóspedes e não só podem ali viver uma experiência única ao realizarem um dos muitos tratamentos propostos pela marca (banho de barrica ou envolvimento Merlot) com produtos que possuem na base ingredientes extraídos da vinha com elevado poder anti-oxidante.  

Difícil foi mesmo dizer adeus a tudo isto. Mas no ar ficou a promessa de voltarmos e dessa vez já sem GPS…

Por Sandra M. Pinto