Ryanair anuncia 14 novas rotas para Portugal

Ryanair anuncia 14 novas rotas para Portugal

Quanto a preços, Michael O'Leary anunciou que as tarifas serão mais baixas em Março de 2019, com melhorias no programa "Always Getting Better".

Por Diana Pedro Tavares

Michael O’Leary, chief executive officer (CEO) da Ryanair, apresentou ontem, 21 de Fevereiro, 14 novas rotas e frequências adicionais em 14 já existentes, para o Inverno de 2018 em Portugal, numa conferência de imprensa no Hotel InterContinental, em Lisboa.

Para a capital portuguesa, a companhia aérea irlandesa vai ter uma nova rota para Edimburgo, frequências adicionais em 7 rotas, obtendo assim um número total de 27 das mesmas, com a previsão de 3,5 milhões de passageiros. Com isto, terão um crescimento de 6%.

Na Invicta, vão existir oito novas rotas para Bolonha, Cagliari, Dusseldorf, Lille, Manchester, Malta, Marraquexe e Sevilha. Vão passar também a estar disponíveis voos diários para Luxemburgo, totalizando 48 rotas, com a previsão de 2,6 milhões de passageiros por ano.

Para Faro, as novidades são Berlim, Colónia, Cork, Marselha e Milão Bergamo. Com frequências adicionais em 6 rotas existentes. O Algarve terá assim 24 rotas. Nos Açores, Ponta Delgada terá três rotas, e a Terceira duas.

Quanto a preços, Michael O’Leary anunciou que as tarifas serão mais baixas em Março de 2019, com melhorias no programa “Always Getting Better”. Isto inclui a medida Promessa de Preço – se encontrar mais baixo, devolvem a diferença, mais 5 euros na conta My Ryanair, tarifas de bagagem de porão reduzidas e Ryanair Rooms com crédito de viagem que devolve 10% do valor gasto em alojamento para futuras reservas.

«Para celebrar o lançamento do nosso horário de Inverno 2018 em Portugal, vamos lançar uma promoção com tarifas a partir de apenas €19,99 para viagens entre Março e Maio, que estarão disponíveis para reserva até à meia-noite de sexta-feira (23 de Fevereiro)», declara.

 
O desafio do Brexit

«O grande desafio para nós e para outros países, como Portugal, é o Brexit, que começa em Março de 2019, e se houver um hard Brexit o que isso significará para o turismo em Portugal», refere Michael O’Leary, devido à saída do Reino Unido do apelidado acordo «Céu Aberto».

O CEO da Ryanair defende que as companhias aéreas low cost tiveram um papel importante no crescimento do turismo no País. Mas «se houver um hard Brexit e não houver um acordo (entre o governo britânico e as Instituições Europeias) não vai haver, tecnicamente, bases de como os voos devem operar do Reino Unido para a Europa, a partir de Abril». «Se houver acordo, será óptimo! Mas esta incerteza tem de ser resolvida», refere, em declarações aos jornalistas.

O CEO da Ryanair acrescenta que a indústria da aviação vai ser das primeiras a sentir as diferenças, sobretudo se as negociações não forem bem feitas, incluindo a paragem de voos durante dias, ou até meses, entre o Reino Unido e os aeroportos europeus, ou mesmo a paragem da entrada da easyjet nos países da UE.