Nova Iorque, cidade dos sonhos

Quem conhece Nova Iorque sabe que esta é uma das mais fascinantes cidades do mundo. Conhecida como The Big Apple, Nova Iorque intitula-se como a capital do mundo.

Dividida em cinco bairros diferentes, é uma cidade que congrega as mais distintas culturas oriundas dos mais díspares cantos do mundo, facto que a transforma numa autêntica Torre de Babel. Mais do que apenas uma cidade, Nova Iorque é um estado de alma e uma maneira de estar na vida, pois é a única metrópole que tem o condão de transformar os seus habitantes em perpétuos estrangeiros, sempre surpreendidos pela inesgotável variedade de gentes, cores e atracções. A “Big Apple” é hiperactiva, global, sempre nova e surpreendente. É das cidades como maior oferta cultural, desde espectáculos a museus, e onde se passa sempre qualquer coisa. É a cidade dos sonhos.

Cosmopolita até mais não

Com vários milhões de habitantes espalhados por uma área de 780 quilómetros quadrados, Nova Iorque uma cidade imensa, cosmopolita, pelo que é aconselhável a qualquer visitante fazer-se acompanhar de um actualizado mapa para orientação.

Nos seus primeiros 200 anos de vida, tanto a cidade como toda a América procurou na Europa a sua inspiração arquitectónica, mas a verdade é que hoje nenhum prédio da época da colonização holandesa permanece de pé em Manhattan. A maioria perdeu-se no grande incêndio de 1776 ou foi demolida para dar espaço a novos projectos no início do século XX. Com a introdução do ferro fundido na arquitectura, em meados do século XIX, o aparecimento da Art Deco e a cada vez maior altura dos arranha-céus, a arquitectura de Nova Iorque e, mais concretamente, de Manhattan ganhou vida própria.

Mesmo nos espaços mais recônditos é evidente a mistura étnica local, pois em questão de minutos e num simples passeio de autocarro temos a possibilidade de ir de Magras a Moscovo, de Hong Kong ao Haiti. Até mesmo os nova-iorquinos originais têm as suas raízes, ainda que possam ser remotas, noutros países, pois a primeira população englobava imigrantes vindos dos quatro cantos do mundo. Dedicada às artes, Nova Iorque serviu de abrigo aos mais famosos nomes do mundo artístico nas suas mais variadas facetas. Na verdade aqui surgiram e se desenvolveram alguns dos maiores talentos criativos deste século e surgiram grandes correntes artísticas como a Pop Art.

A visitar

Estátua da Liberdade

Símbolo de Nova Iorque e dos Estados Unidos, esta estátua com 45 metros de altura foi oferecida pelo governo francês. Idealizada pelo escultor Frédéric-August Bartholdi, tornou-se num símbolo da liberdade em todo o mundo, após ter sido inaugurada em 1886 com o intuito de dar as boas-vindas aos imigrantes. Para melhor a apreciar nada como fazer a viagem de barco que tem início em Battery Park.

Central Park

Este é o parque mais querido dos nova-iorquinos, onde pulsa o coração da cidade. É, desde a sua inauguração em 1873, o “pulmão verde” da cidade dividindo-a em East e West, de um lado a 5th Avenue e do outro a Central Park West. É por excelência um ponto de encontro, em especial durante os fins-de-semana, uma vez que possui áreas para patins, bicicleta, ténis, pesca, futebol, basquetebol, tudo entre árvores centenárias, além de um pequeno zoo.

Quanto a música, também ela marca presença assídua na vida do parque seja com concertos ao vivo da New York Philarmonic Orchestra, de bandas de jazz ou mesmo espectáculos de ópera. Impossível não visitar o restaurante Tavern on the Green que, decorado com várias antiguidades e lustres de cristal, serviu já de cenário a inúmeros filmes.

Museu de História Natural

O imponente edifício alberga uma das maiores colecções de zoologia, botânica e mineral do mundo, com exemplares de cerca de 35 milhões de espécies. As exposições mostram e explicam em detalhe a evolução da vida na Terra. Desde a sala dos dinossauros até ao Hall of Ocean Life, passando pela sala dos mamíferos africanos, o visitante entra em contacto com a história e evolução do planeta que habitamos, percebendo melhor a evolução do próprio ser humano. O planetário Hayden é contíguo ao museu.

St Patrick’s Cathedral

Localizada na 5th Avenue, esta é a maior igreja dos Estados Unidos. A igreja católica pretendia usar este local como cemitério, mas em 1850 o arcebispo Jonh Hughes decidiu construir uma catedral. O seu estilo gótico foi inspirado na catedral de Colónia, na Alemanha, tendo começado a ser construída em 1850 e finalizada em 1879. Tem torres com 101 metros de altura e vitrais enormes. Lá dentro a grandiosidade repete-se: um grande órgão, a escultura de Pietà e a Lady Chapel, a capela que homenageia a Virgem Santíssima. Está entre as 11 maiores do mundo, com capacidade para 2500 pessoas. Devido à excelente acústica do local costuma ser palco de concertos e palestras.

Rockfeller Center

Símbolo do poder e da riqueza da cidade, este complexo de 21 edifícios foi inaugurado no final da década de 20 do século XX.

Na zona frontal fica a Lower Plaza onde se encontra um monumento a Prometeu. No Inverno há pistas de patinagem no gelo e no Verão o espaço serve de esplanada. A maior atracção do ano é a árvore de Natal gigante, iluminada com milhares de velas eléctricas. Os apreciadores e curiosos de saber como se fazem programas de televisão podem realizar um “tour” pelos estúdios da NBC ou mesmo participar nas gravações de algum programa de auditório. O Rockfeller Center acolhe ainda o Radio City Music Hall que, conhecido como o local de espectáculos da nação, abriu portas ao público no dia 27 de Dezembro de 1932.

Solomon R. Guggenheim Museum

Dedicado a mostrar a arte do século XIX, é um dos mais emblemáticos museus norte-americanos e está instalado num edifico que é também ele uma obra-prima da arquitectura. Projectado por Frank Loyd Wright, considerado o mais inovador arquitecto norte-americano, o espaço acolhe importantes obras dos principais artistas dos séculos XIX e XX. A rampa em espiral que parte da cúpula percorre o edifício, permitindo que os visitantes descubram as galerias da Pequena Rotunda e da Torre.

As alas laterais mostram partes da colecção própria do museu, constituída por seis mil obras, onde se incluí a maior colecção do mundo totalmente dedicada à obra de Kandinsky. No quinto piso está localizado o terraço das esculturas.

Metropolitan Museum

É a jóia dos museus nova-iorquinos e um dos maiores e mais variados do mundo. Com aproximadamente 250 salas, dois mil milhões de obras de arte, 35 mil peças do período Neolítico, é praticamente impossível de visitar num só dia. Do terraço obtém-se uma panorâmica magnífica sobre o rio Hudson.

Soho

Esta famosa zona nova-iorquina é conhecida pela sua arquitectura de ferro fundido. O exemplo mais antigo é o Haughwoit Building, datado de 1856 e possuidor do primeiro elevador de Nova Iorque, o qual ainda se encontra em funcionamento. É a meca da moda de vanguarda, com lojas de designers famosos, galerias e restaurantes.

 

 

Outras Notícias
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
Facebook reforça transparência em anúncios políticos
Automonitor
Um Mustang preparado para o futuro?