Monastero Santa Rosa: desejada reclusão

Monastero Santa Rosa: desejada reclusão

Em Roma sê romano. No Monastero Santa Rosa sê feliz. Quase podíamos anunciar esta frase como o slogan de apresentação deste hotel absolutamente delicioso. Tem a capital italiana como morada e a felicidade de quem recebe como objectivo.

Em reclusão mas sem solidão, os visitantes de Monastero Santa Rosa chegam em busca de uma paz que tantas e tantas vezes a agitada vida quotidiana não permite. Em família, com um grupo de amigos, a dois ou sozinho, a verdade é que todos encontram nele um motivo para, na altura do check-out, afirmarem que ali passaram alguns dos melhores dias das suas vidas. Jardins exuberantes concebidos em quatro níveis, aposentos que entre quartos e suites contam a quantia de 20, um spa «do outro mundo» e espaços de restauração requintados são os principais motivos para tamanho grau de satisfação. A eles juntam-se a gentileza e o profissionalismo do staff, a auga mágica que circunda todo o espaço e, claro, a localização privilegiada entre Positano e Amalfi.

Ler um dos bons livros da biblioteca? Porque não…ou então jogar uma partida de xadrez no bar enquanto aprecia um Martini seco, excelente ideia! A estas juntam-se tantas outras que vão preencher os dias dos hóspedes de muita alegria e descanso, basta que escolha a que mais lhe agrada.

O antes

Quando o sol se põe por detrás das montanhas Latarri, na Costa de Amalfi e o dia cede a primazia à noite, a beleza do Monastero invade sem pedir licença. Como se da asa de um anjo se tratasse, o Monastero Santa Rosa Hotel & Spa, situado na beira do penhasco impera por sobre a paisagem com uma altivez adquirida pelo passar dos anos, dos séculos. A construção datada do século XVII era na sua génese um mosteiro habitado por freiras que ali viviam em reclusão na procura constante dos céus e da paz interior. Sonho concretizado pela irmã Rosa Pandolfi, descendente da família nobre Pontone di Scala que vivia em Conca dei Marini, o mosteiro ficou concluído em 1681 tendo sido consagrado a Santa Rosa de Lima.

Nos tempos livres dedicavam-se a dar forma e sabor na cozinha do mosteiro a algumas iguarias da doçaria conventual, a mais conhecida um tradicional “sfogliatelle” ao qual deram o nome Santa Rosa, recuperado para nome da unidade hoteleira e cuja actual proprietária, Bianca Sharma deseja voltar a servir aos hóspedes numa evidente homenagem às antigas freiras.

Em meados do século XIX a ordem foi encerrada e o mosteiro entregue ao município local. Apenas em 1924 o edifício começa a ganhar outro destino, quando adquirido pelo hoteleiro romano Marcucci abre as portas como unidade de elevada categoria. As três gerações seguintes da família Marcucci tomaram as rédeas do hotel mas quando o último elemento da família desapareceu o edifico foi novamente deixado à sua sorte. Anos em que do topo da encosta o edifício foi apenas uma ténue recordação da glória e glamour de outros tempos.

Corria o ano de 2000 quando Bianca Sharma se apaixona pelo espaço e sonha voltar a transformá-lo num destino d epuxo e requinte, homenageando sempre as memórias que fizeram e fazem deste um hotel único, memorável. A recuperação e reconversão não só respeitou toda a arquitectura original do edifício, como reconquistou muita da aura de tranquilidade que fez deste um dos mais requisitados mosteiros da região e o requinte que depois lhe trouxe a fama de ser uma das melhores unidades hoteleiras de Itália. Tudo ali homenageia a rica herança histórica do edifício, estabelecendo o Monastero Santa Rosa novas metas na arte de bem receber.

Hotel feito de ex-líbris

O primeiro desses ex-líbris é a sua piscina infinity, instalada naquela que é já considerada como a mais dramática e impressionante escarpa da Costa de Amalfi. Impressionante obra arquitectónica, a piscina esculpida na rocha que se encontra na base do monte que acolhe o hotel, no ponto mais baixo da verdadeira cascata de jardins que fronteiam a unidade. Mergulhar ali revela-se uma experiência ímpar, acredite, algo que, garantidamente, não vai esquecer. Outro dos ex-libris que compõem o Monastero Santa Rosa já foi referido em cima, e são os jardins, que em forma de cascata cobrem diferentes níveis do terreno que abraça a unidade fazendo com que a privacidade de cada espaço seja ainda maior. Por entre eles bancos que convidam a instantes de leitura ou pura contemplação. O terraço sunset constituiu ele também um terceiro elemento de caracterização do hotel. Situado no fim do corredor no último piso da unidade, oferece, além de uma panorâmica de cortar, literalmente, o fôlego, espreguiçadeiras onde confortavelmente se pode dar o devido valor à palavra tranquilidade, verdadeiro luxo tantas vezes desejado.

Mais do que ex-libris, os 20 aposentos do Monatero Santa Rosa são a sua verdadeira imagem de marca. Criados a partir da junção das antigas celas que acolhiam as freiras, cada um possui um ambiente de pura sumptuosidade, que não tenhamos dúvidas, faria corar as antigas habitantes. Na decoração elementos caracteristicamente italianos, conjugados com tecidos actuais e mobiliário de qualidade. Mas o que deixa todos encantados são as vistas que se conseguem alcançar desde as suas varandas e janelas. Essas sim, memórias que ninguém vai esquecer.

Entre as massagens e a gastronomia

Quem diria que um mosteiro do século XVII daria um spa tão século XXI? Na verdade, houve quem duvidasse, mas a verdade é que o spa do Monatero Santa Rosa fez desaparecer todas as dúvidas, surgindo hoje como um dos mais solicitados espçao de saúde do mundo. Muito do seu sucesso, reconhecido, por exemplo com a atribuição do prémio «Best Newcomer» pela revista «Tatler» em 2012, advém da imensa qualidade dos produtos que utiliza, da marca Santa Maria Novella. Resguardados pelas maciças paredes de granitos, os visitantes acedem a um espaço com séculos de história onde se sentem, efectivamente, transportados para outro tempo, outras épocas. De referir a Suite Termal, a qual afaz justiça à tradição tão italiana dos banhos, e a Spa Suite, apresentada como um spa dentro de um spa, pois possui salas de tratamentos, de manicura e pedicura, e um terraço privado alfresco. Apetecível, não será?

Apetecível é também a palavra que melhor simboliza o Restaurante Santa Rosa, onde a mestria gastronómica do chef Christoph Bob adquire forma em iguarias saborosas, cheirosas e, claro, apetecíveis. Apaixonado pela região (é casado com uma local), o chef conjuga os ingredientes da zona de uma forma harmoniosa celebrada a cada refeição pelos elogios dos visitantes. Os vegetais, as ervas aromáticas chegam do jardim do hotel facto que lhes dá uma frescura ímpar. Claro que o azeite é rei e senhor, pelo que o azeite servido no restaurante Santa Rosa é produzido com esse objectivo, sendo um produto exclusivo que só pode ser degustado ali.

Este é claramente um hotel que facilmente se transforma num objeto de desejo por parte de quem, como nós, adora viajar e experimentar as maravilhas deste nosso variado mundo! Basta apanhar o avião até Roma ou Nápoles e seguir de automóvel ou helicóptero até este destino singular. Escolha e solicite o meio preferido na altura da reserva. Depois disfrute!

Por Sandra M. Pinto